Follow by Email

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Úlceras venosas: como tratar

 Paciente com 62 anos, refere úlcera na perna há pelo menos 5 anos, sem sinais de cicatrização ou melhora. Dores, exsudato e odor a acompanharam durante todos esses 5 anos. As fotos ao lado demonstram satisfatoriamente o resultado de uma semana de uso de prata nanocristalina e terapia compressiva. Conclusão: as úlceras venosas cicatrizam!
Dados epidemiológicos demonstram que 1 a 3% da população adulta tem úlcera venosa. Hoje é importante causa de afastamento do trabalho, grandes repercussões sócio-econômicas e o custo de tratamento é alto.
Os fatores de risco são: permanecer muito tempo em pé ou sentado, obesidade, tabagismo e história familiar. Entre os sinais clínicos destacam-se a coloração escura da perna, edema, e dermatite.
As úlceras venosas tem evolução lenta, são rasas, de grande dimensão e com drenagem em grande quantidade. A dor e o edema melhoram quando o paciente faz repouso com o membro elevado.
O tratamento consiste no diagnóstico correto, que pode ser realizado por um médico vascular ou por uma enfermeira estomaterapeuta, através de exames, como o Índice Tornozelo/Braço.
Após o diagnóstico da úlcera venosa, o tratamento consiste em controlar a carga de bactérias no local e aumentar o aporte sanguíneo. Para isso o uso da prata nanocristalina de liberação lenta e a terapia compressiva de multi camadas tem efeitos satisfatórios, como apresentados nas fotos. A primeira foto foi no início do tratamento e a segunda foto após 7 dias de tratamento. Os resultados são surpreendentes!

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Úlceras por pressão em pacientes acamados: prevenir é a melhor opção.

  
Embora assustadora, a foto ao lado retrata uma realidade de muitos pacientes acamados: a úlcera por pressão na região sacral.

Os fatores de risco para o aparecimento das úlceras por pressão (UPP) são:

·         Mobilidade prejudicada            
·         Incontinência fecal       
·         Estado mental diminuído
·         Incontinência urinária 
      O tratamento visa corrigir os fatores de risco com ações como:  mudança de decúbito do paciente no leito a cada 2 horas, introdução de dietas específicas, uso de curativos apropriados para cicatrização / prevenção  e manter o paciente limpo, livre de urina e fezes.
           Sobre o tratamento de curativos, podemos destacar a importância
      de utilizarmos bons produtos disponíveis no mercado, com o objetivo de cicatrização o mais breve possível, a fim de evitar as dores, infecções, uso de antibióticos e até a necessidade das intervenções cirúrgicas.
          Os últimos estudos e publicações recomendam a utilização de 02 tipos de curativos para a prevenção das UPP. Um deles é o filme transparente que pode ser aplicado na pele íntegra nas áreas de proeminências ósseas, onde permanece por até 15 dias. O filme transparente irá auxiliar a pele do paciente a “deslizar” na roupa de cama quando for realizada a mudança de decúbito, o que evita os abrasões e escoriações nos pacientes idosos com pele frágil. O outro é o curativo de "espuma hidrocelular". Também deve ser aplicado nas regiões de proeminência óssea, estando a pele íntegra ou com lesão superficial. A função deste curativo é diminuir a pressão através da espuma hidrocelular que tem tecnologia apropriada para prevenir a UPP. Pode ficar na pele por até 07 dias. Ambos fornecem barreira de defesa contra água e bactérias.
      Quanto a higiene íntima, é fácil encontrar nas casas cirúrgicas o kit de lenços umidecidos com “dimeticona 3%”. Eles limpam a pele, controlam o odor, hidratam e fazem uma barreira de proteção na pele contra a urina e as fezes, prevenindo as dermatites de contato.
      Cuidar é uma arte! Sucesso a todos!

terça-feira, 21 de junho de 2011

Curativo para cirurgia plástica: acerte na escolha

A cirurgia plástica traz muitos benefícios, entre eles a beleza e o equilíbrio emocional. Porém, como todas as cirurgias, ela tem seus riscos.
A infecção na incisão cirúrgica é um risco de todos os pacientes submetidos a procedimentos cirúrgicos. É diagnosticada em até 30 dias da cirurgia e, no caso de implante de prótese, este prazo estende-se para 1 ano.
A principal fonte de infecção é a flora normal da pele, onde as bactérias entram no organismo através da incisão cirúrgica. As infecções causam retardo na cicatrização, prejuízos físicos, emocionais, afastamento do trabalho e do convívio social. Além disso, pode elevar os custos com tratamento e maior permanência hospitalar.  
Quanto ao curativo, o GUIDELINE traz como recomendação para prevenção de infecção em ferida cirúrgica a aplicação de um CURATIVO ESTÉRIL POR 24 A 48 HORAS. 
Ferreira e Andrade (2006) comprovaram em estudo que em apenas 5 minutos Staphylococcus epidermidis conseguem atravessar 5 gazes úmidas, o que demonstra a ineficácia do curativo cirúrgico de gaze estéril na proteção por 24 a 48 horas se molhado no banho.
Uma excelente opção disponível no Brasil e com custo acessível é a aplicação do curativo pós operatório composto por um filme de alta taxa de transmissão de vapor com coxim absorvente de baixa aderência na incisão. Entre suas qualidades destacam-se a barreira efetiva contra microorganismos exógenos, é estéril e pode ser molhado no banho. Sua durabilidade é de até 7 dias consecutivos. Vários estudos e publicações científicas aprovam e recomendam o uso deste curativo. E no caso de uma cirurgia plástica, o conforto, segurança e a beleza, valem a pena!

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Alergia a curativos??? Devemos investigar...

Há alguns dias atrás fui procurada por uma paciente que relatou uma história interessante: há anos tem uma ferida em membro inferior esquerdo, mas os tratamentos sempre são interrompidos devido a processos alérgicos.
O último "processo alérgico" foi após a aplicação de uma mistura caseira de vaselina + iodo 1%, conforme prescrição médica. Segundo a paciente, sentiu dor, calor e rubor em grande extensão ao redor da ferida, o que a impossibilitou dar continuidade no tratamento.
Após avaliação, sugeri a aplicação de uma pomada de CADEXÔMERO DE IODO 0,9%. Esta pomada absorve exsudato e mata amplo expectro de bactérias, sendo o iodo liberado lentamente por 3 dias. O resultado está apresentado na foto: a ferida respondendo muito bem ao tratamento e a "reação alérgica" foi descoberta: é da gaze ( observem o quadrado vermelho na pele da paciente ao redor da ferida). Após esta descoberta, trocamos a gaze por um CURATIVO HIDROCELULAR como cobertura secundária, o que trouxe para a paciente uma nova esperança no tratamento de sua ferida!